Do desejo à realização

Muitos desejam, poucos realizam. Desejar √© o primeiro passo, mas n√£o basta. Voc√™ pode ter muitos sonhos e tamb√©m muitas frustra√ß√Ķes. Antes de tudo √© preciso diferenciar o seu desejo do que os outros desejam para voc√™. Se o que deseja se refere somente √† vontade dos outros, n√£o ter√° a intensidade necess√°ria para chegar ao seu destino. Por isso, questione sempre se o seu querer √© realmente seu ou se prov√©m de uma ordem externa. Uma vez que voc√™ entenda quais s√£o as suas reais aspira√ß√Ķes, √© fundamental que invista energia na mesma dire√ß√£o que escolheu. Voc√™ sabe qual √© o foco e coloca bastante aten√ß√£o no caminho que deve percorrer at√© alcan√ßar o resultado. Sempre haver√° um processo, com momentos mais f√°ceis e outros bem dif√≠ceis. Controlando a ansiedade e a vontade de desistir, voc√™ insiste. Visualiza o final, trabalha, transp√Ķe as barreiras. E ao sentir-se pequeno diante da tarefa a que se prop√īs, voc√™ tem f√© e conta com a ajuda da infinita bondade divina, que tamb√©m deseja a sua realiza√ß√£o.

Sergio Savian Рpsicanalista clínico
(agende uma consulta presencial ou √† dist√Ęncia)

Miopia emocional

Olhar de frente para a realidade, tal como ela se apresenta, faz parte do amadurecimento de qualquer um. Ao resistir, n√£o reconhecendo os fatos, iludindo-nos com as palavras, que podem mentir ou dizer qualquer coisa, tudo se complica. Assim, continuamos infantilizados. A verdade d√≥i, mas √© a √ļnica possibilidade de resolver tudo o que colocamos sistematicamente por debaixo do tapete. Se n√£o resolvidos, os problemas tendem a reaparecer, e se tornam cada vez maiores. Enquanto n√£o compreendermos isso, pintando o mundo de cor de rosa, enquanto nos basearmos somente em um ponto de vista fundamentalista ou te√≥rico, que n√£o condiz com a situa√ß√£o atual, estaremos vivendo uma doentia miopia emocional que deve ser tratada urgentemente e com seriedade.

Sergio Savian é psicanalista especializado em relacionamentos.
(agende uma consulta de aconselhamento; participe do Grupo de Autoconhecimento)

A vida tem dois lados: o objetivo e o subjetivo. O objetivo está relacionado com o lado material. O subjetivo está relacionado com os sentimentos, com a poesia, com a inteligência emocional. Se não reconhecemos tudo isso, vamos nos sentir muito mal.

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta de aconselhamento)

O amor simplesmente nos acontece, basta que você esteja na sua sintonia

Estar em sintonia com o amor significa que voc√™ √© uma pessoa amorosa, que est√° acordada, que n√£o vive no mundo das ilus√Ķes, que descobriu a generosidade como forma de viver, que tem amor por si mesmo, que sabe compartilhar o seu melhor, que sabe expressar o que sente, que sabe ver e ouvir o outro do jeito que ele √© e n√£o da forma que voc√™ gostaria que ele fosse. Que n√£o fica responsabilizando o outro por sua felicidade ou infelicidade. Dentre outras coisas….

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta de aconselhamento)

A vida é uma oportunidade

Ela pulsa dentro e fora de nós, dos animais, das plantas, em mim, nos outros. A vida se expressa de muitas maneiras. E por ser um presente que nos é dado, é sábio que cuidemos dela, que tenhamos amor à vida, onde quer que ela se manifeste.

Você pode ser mais ou menos vital, ter mais ou menos vida circulando em você. Os ambientes que vivemos também podem estar carregados de mais ou menos vitalidade.
Junto à natureza, encontramos mais energia vital, nas grandes cidades, menos.
Um alimento n√£o processado tem mais vida que os industrializados.
Os relacionamentos podem ser mais ou menos vivos.
Você pode se abastecer de energia vital por meio de alimentos saudáveis, de exercícios físicos, do sono e da meditação.
O amor é a grande fonte da vida.

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta de aconselhamento)

Bico calado Рassuntos com os quais você ganha mais ficando calado no trabalho e no amor

Entrevista de Sergio Savian* para o Jornal da A Tribuna de Santos

. Num relacionamento, os dois devem falar tudo? Ou há assuntos, histórias do passado que é melhor não trazer à tona para não correr o risco de azedar o amor?
√Č bom que se pergunte qual o efeito que suas palavras t√™m. Falar ou n√£o o que pensa e sente pode causar sentimentos positivos ou negativos nos outros. Nossa mente trabalha todo o tempo produzindo informa√ß√Ķes, relembrando o passado, imaginando o futuro. Pensamos coisas boas e coisas ruins de n√≥s mesmos e dos outros. Se falarmos tudo o que passa pela cabe√ßa tornaremos as rela√ß√Ķes invi√°veis. H√° que discernir quais assuntos s√£o realmente importantes e outros que n√£o far√£o a diferen√ßa. Esta √© uma linha t√™nue. H√° que ter sensibilidade e bom senso para escolher o que dizer ou n√£o. Muitas pessoas vivem a ilus√£o de que s√£o totalmente transparentes, mas isso √© somente uma falta de autoconhecimento. Quem se conhece entende que muitos assuntos s√£o totalmente privados, que n√£o se fala tudo o que pensa e sabe, at√© por respeito √† outra pessoa, caso contr√°rio voc√™ criaria o caos nas rela√ß√Ķes.

. Mulheres tendem a ser mais verborr√°gicas. √Č melhor manter segredo sobre algumas queixas, percep√ß√Ķes emocionais… at√© amadurecer melhor internamente antes de expor ao parceiro e gerar um problema maior?
S√£o muitas as pessoas que falam demais, que teclam demais nas redes sociais, no whatsapp. Palavras que perdem o sentido se n√£o s√£o acompanhadas por a√ß√Ķes. Fala-se muito e se faz pouco. Sempre tem a hora certa para dizer algo. Noutras vezes, n√£o dizer pode ter um efeito muito melhor. √Č preciso verificar qual a abertura o outro tem para escutar o que voc√™ tem a dizer. Pode ser que o outro esteja em uma fase ruim e qualquer not√≠cia diferente pode estress√°-lo. Precisamos entender a que servem as palavras. Se algu√©m deu em cima de voc√™, voc√™ conta ou n√£o para seu namorado ou marido? Mas se voc√™ j√° descartou o pretendente que n√£o tem nada a ver com voc√™, falar do assunto vai agu√ßar a ira do seu companheiro. Nesta situa√ß√£o, ser√° que contado a “verdade” voc√™ n√£o a estaria usando exatamente para provocar o ci√ļme do companheiro? Por que voc√™ faria isso? A troco de que? Se analisar bem o que √© dito vai perceber que na maior parte do tempo o que diz est√° a servi√ßo do seu pr√≥prio ego, muitas vezes disfar√ßado por um discurso moral sobre a verdade. Em nome da verdade o que se pretende √© exercer o controle sobre os outros. √Č muita fome de poder! E tudo isso para encobrir seu sentimento de inseguran√ßa, de inferioridade, de desamparo. Uma boa an√°lise ajuda voc√™ a entender qual √© o uso que faz das palavras, o que est√° por tr√°s delas, quando falar ou n√£o sempre na perspectiva de construir rela√ß√Ķes saud√°veis.

. E no caso de homens muito calados, que parecem ter sobre eles uma aura de segredos, gerando insegurança na pessoa que o ama. Como lidar com isso e fazer esse homem abrir seus segredos?
Quando voc√™ n√£o se revela, n√£o cria intimidade e isso o afasta das pessoas. Com seu sil√™ncio voc√™ cria suspense, cria mist√©rio e mant√©m a outra pessoa escravizada. Neste sentido, o sil√™ncio tamb√©m √© um exerc√≠cio de poder sobre o outro. Falar demais pode ser prejudicial ao relacionamento, mas falar de menos tamb√©m acaba com as melhores inten√ß√Ķes. Al√©m disso, o que n√£o √© dito pode gerar uma grande tens√£o interna e at√© mesmo doen√ßas. De novo, uma boa an√°lise ajuda os mais calados a descomplicar a vida falando o que precisa ser dito. S√£o muitas as situa√ß√Ķes que s√≥ se resolvem com um bom di√°logo.

. o que mais você acha importante falar sobre segredos no amor?
Resumindo, dizer ou n√£o o que pensa, sabe ou sente √© importante, mas √© preciso entender para que servem as palavras, o que elas provocam. Sabendo us√°-las, as palavras podem ser muito √ļteis para esclarecer, para melhorar, para aprofundar as rela√ß√Ķes. Mas quando as palavras n√£o s√£o acompanhadas pelo autoconhecimento, pela sensibilidade, pelo discernimento, elas podem ser desastrosas.

*Sergio Savian é psicanalista e escritor especializado em relacionamentos. Além das consultas individuais e para casais, Savian trabalha com palestras e seminários para quem deseja sair do círculo vicioso e comprometer-se com uma vida amorosa mais feliz.
A Psicanálise do relacionamento foi criada por Sergio Savian depois de décadas pesquisando e trabalhando com milhares de pessoas de todo o mundo que o consultam para compreender seus conflitos, buscando novas maneiras de se relacionar, com mais inteligência emocional.
Savian somou à terapia holística e à meditação, os principais conceitos de Freud, Reich, Melanie Kleine, Jung e outros importantes pensadores do comportamento humano. Discípulo de Osho, desde 1990, compreendeu que a meditação é uma forma de autoconhecimento imprescindível para quem pretende se relacionar muito bem consigo mesmo e com os demais. Mas é através da interpretação dos sonhos que encontrou um poderoso caminho para escutar a sabedoria interior, reconhecendo quem realmente somos e para onde devemos nos direcionar.
Na Psican√°lise do relacionamento, Savian ensina como estabelecer uma boa coopera√ß√£o entre o consciente e o inconsciente. Com esse estudo, abrimos a vis√£o, permitindo que as necess√°rias mudan√ßas ocorram ‚Äď da pris√£o do ego, rumo ao si mesmo amplo e universal.

Para desenvolver um trabalho de autoconhecimento com Sergio Savian:
- Atendimentos individuais presenciais ou por Skype
- Grupo de autoconhecimento (presencial-semanal)
- Get Energy em Joanópolis (viagens)
www.sergiosavian.com.br
www.relacionamentoamoroso.net.br
atendimento@sergiosavian.com.br
11 2368-9305

Relacionamentos acelerados

Um relacionamento que durava 25 anos, hoje acontece em 25 dias ou em 25 minutos, senão em 25 segundos. Você acha que já conhece, e se conforma em trafegar em alta velocidade por esta vida, mesmo que não se envolva com ninguém de fato.

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos.

As rela√ß√Ķes pedem muito jogo de cintura

Quando algu√©m est√° muito influenciado pelo julgamento do que √© certo ou errado, estabelece um car√°ter r√≠gido de personalidade – rigidez consigo mesmo, com os outros. Seu corpo √© r√≠gido, sua forma de pensar tamb√©m. As rela√ß√Ķes pedem muito jogo de cintura, a compreens√£o do ponto de vista alheio, pedem perd√£o; e a pessoa de personalidade r√≠gida √© o contr√°rio disso: n√£o abre m√£o do seu ponto de vista, mant√©m uma postura moral, n√£o facilita o andamento das rela√ß√Ķes. Sofre e faz os outros sofrerem.
Sergio Savian √© psicanalista especializado em relacionamentos. Participe do Semin√°rio sobre o Amor. Dia 24 de fevereiro: “Linguagem Corporal”. Informe-se em: 11 2368-9305 ou atendimento@sergiosavian.com.br

Cada um por si e distante de todos

Está acontecendo algo muito importante na evolução do ser humano que é a sua auto-afirmação como indivíduo. Foi muito tempo vivendo debaixo de regras muito rígidas, fazendo o que devia ser feito, cumprindo regras, andando em cima dos trilhos. Há quarenta anos atrás se poderia estar solteiro somente até os vinte e poucos anos. A partir de então a ordem era casar, caso contrário você seria discriminado de alguma forma. E até hoje, em muitos lugares, ainda se pensa desta maneira.
Mas, no geral estas regras foram sendo afrouxadas e hoje aumenta a quantidade de pessoas solteiras de ambos os sexos e as cobran√ßas j√° n√£o s√£o tantas. Por isso, se antigamente muitos se casavam para dar satisfa√ß√£o √† fam√≠lia e √† sociedade, hoje este j√° n√£o √© motivo suficiente para o matrim√īnio.
As pessoas foram aprendendo a considerar a sua própria vontade, que se torna cada vez mais forte que a vontade alheia. Por um lado isto pode ser muito bom, pois assim nos aproximamos de nossa autenticidade. Por outro, neste caminho, podemos nos tornar bastante individualistas. E é isso o que está acontecendo. Cada um por si e distante de todos.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos. Participe do Semin√°rio sobre o Amor. Dia 24 de fevereiro: LINGUAGEM CORPORAL. Informa√ß√Ķes: 11 2368-9305 ou atendimento@sergiosavian.com.br

O amor na contram√£o

Eu n√£o tenho nenhuma d√ļvida de que o amor est√° na contram√£o. Uma grande parte da humanidade est√° vivendo de uma maneira, num certo ritmo, que n√£o combina com o amor. A gente n√£o tem tempo para nada, sempre atr√°s do dinheiro, ocupado com o trabalho, preso no tr√Ęnsito, estressado de alguma forma. E para amar voc√™ precisa de paci√™ncia, calma para sentir, tempo para se dedicar √† rela√ß√£o, sutileza e cuidado para com o outro.
Vivemos em grandes centros urbanos, onde voc√™ nem sempre conhece o seu vizinho. As rela√ß√Ķes s√£o cada vez mais impessoais. O sentir vai sendo ‚Äúdeletado‚ÄĚ e nada √© t√£o interessante para tocar o seu cora√ß√£o. Cenas e cenas de um cotidiano brutal nos faz acostumar com a fic√ß√£o de um Blade Runner que virou realidade. A indiferen√ßa cresce e o compromisso √© encarado como pura m√£o de obra.
Cada um fica na sua, tentando se tornar algu√©m apetitoso num grande supermercado do sexo. Os valores materiais est√£o em alta: academia, silicone, o ter e o n√£o ter. Mas o amor precisa antes de mais nada que voc√™ seja. E isso √© o mais dif√≠cil. Para ser, √© preciso sair de toda essa roda-viva e se consultar; √© preciso entender a sua natureza, que voc√™ √© √ļnico e que o outro tamb√©m o √©.
Amor n√£o combina com indiferen√ßa, pois deve levar a outra pessoa em considera√ß√£o; ir na contram√£o da frieza, da intoler√Ęncia, do ego√≠smo, do materialismo.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos. Participe do Semin√°rio sobre o Amor. Dia 24 de fevereiro, em S√£o Paulo, tema: LINGUAGEM CORPORAL. Saiba mais em 11 2368-9305 ou atendimento@sergiosavian.com.br