Quer você queira ou não, a vida pede mudanças!

Tem gente que é avesso a qualquer possibilidade de mudança. Eu conheço muitas pessoas que fazem de tudo para não sair do lugar. Querem segurança total. Mas isso não existe. Quer você queira ou não, a vida pede mudanças!
Na vida pessoal ou profissional, o tempo todo surgem novidades. E como você lida com o que não planejou? E quando as coisas começam a dar errado? Você fica reclamando? Até quando? Parte para a ação? Mas você sabe para onde ir? Quais são as mudanças que precisa fazer? Você tem gás, você tem energia, tem coragem para mudar?
Você pode até empurrar com a barriga, adiar as transformações. Mas não tem jeito, hora ou outra, você se vê obrigado a fazer alguma coisa. O que não dá é para ficar repetindo o que não serve mais, o que te faz sofrer. E também tem outra, quem não muda fica frustrado, porque não se amplia, não se realiza.
Eu aprendi desde cedo que a vida fica muito melhor e dá mais certo quando a gente se compromete com o que a alma pede, e a alma pede mudanças. Te garanto!
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância; participe do Seminário sobre o Amor)

O que acontece fora, está em sintonia com que carregamos dentro de nós

Então, conflitos, prazeres, amores, de um jeito ou de outro, vida profissional, tudo acontece de acordo com como nossas demandas interiores.

Um grande problema, senão o principal, nos relacionamentos, está no mal-entendido entre as pessoas. Ouvimos e não escutamos; olhamos e não vemos. Nossas necessidades emocionais nos colocam em um mundo ilusório, distantes da realidade. Corremos atrás de soluções paliativas, mas, num círculo vicioso, repetimos os mesmos erros.

Daí a importância de se conhecer. Indo além do medo, encarar a própria verdade, e permitir que o melhor floresça e apareça. Só assim nos transformamos em pessoas com real capacidade de gozar a vida e amar.

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância; participe do Seminário sobre o Amor)

Na contramão da insensibilidade

Só agora vi o filme AQUARIUS, que me fez pensar sobre o passado e o presente, sobre a memória destruída pelos avanços tecnológicos. O cenário é a Recife, PE.
Eu, que conheço muitas das cidades nordestinas desde a década de 70, vi sua transformação. Do que era artesanal e sublime , pouco sobrou. No lugar das rendeiras, dos coqueiros, do povo gentil, você encontra hoje edifícios modernos e todos iguais. A comida caseira foi substituída pelos MacDonals e Subways. Da gentileza à criminalidade. Tudo mudou.
Eu, que vivi minha juventude na década de 70, vejo a liberdade ser substituída pelo excessivo controle das câmeras, pelo controle de uns pelos outros, pela vaidade excessiva, comportamentos massificados. Poucos sabem de si. Falta reflexão. O mundo se tornou materialista ao extremo. A poesia e a melodia das canções foram substituídas pela pressa, pelo funk grosseiro, pelas pancadões barulhentos dos bairros. O encontro amoroso foi substituído pelo sexo banal.
As mudanças parecem irreversíveis. Mais quantidade e menos qualidade. Regressão da consciência. Os poderosos avançam a qualquer custo, destruindo o que não interessa ao seus interesses próprios. O coletivo que se dane.
O filme é apenas uma denúncia, uma denúncia indignada. Do câncer que toma conta de nossas cidades. O câncer de um crescimento urbano a qualquer custo, que nos deixa enfermos. Doentes no amor, na amizade, na solidariedade, na compaixão, nos vínculos afetivos.
Minha única esperança é que cresça o número de pessoas que andem na contramão de tanta insensibilidade. Meu convite é que façamos parte deste grupo.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância; participe do Seminário sobre o Amor)

Você pertence a qual time, dos que reclamam ou dos que agem?

Os que reclamam têm sempre a sensação de que o destino de suas vidas depende dos outros. Estão sempre magoados, ressentidos, com raiva. Seu foco está sempre fora de si. Por não se conhecerem, projetam sua felicidade e infelicidade nas pessoas, no governo, nos eventos. Desta forma, com este padrão de pensamento, nunca irão resolver suas vidas. Não saem do lugar. No outro time estão os que agem. Eles não deixam que a preguiça tome conta de suas vidas. Tampouco o medo. Seguem sempre em frente. Por isso, não são reféns ou prisioneiros das circunstâncias. Diante das adversidades, perguntam-se o que devem fazer para dar continuidade ao que desejam. Bola para frente. Caem, sacodem a poeira e dão a volta por cima. Estes são dois pontos de vista que o levam a rodar em falso ou progredir. E você, em qual desses times está jogando?

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância; participe do Seminário sobre o Amor)

Poder e fé

Ao nos depararmos com uma situação dramática, de vida ou morte, nos questionamos sobre o que realmente importa na vida. Todas as formas de vaidade e poder que cultivamos perdem seu valor. Isso nos faz pensar na inconsistência do poder que vem do dinheiro, dos bens materiais, do conhecimento, da beleza, do comando. Nada disso é tão importante quando você compreende que somos muito pequenos diante do Universo, com suas leis. Nem tudo pode ser controlado por você. Muitas coisas acontecem sem que as tenha planejado. Coisas boas e coisas ruins. De certa forma tudo está certo e nada está errado. Você faz a sua parte, faz o seu melhor e confia. Se o seu querer estiver de acordo com o querer maior, comemore. Mas, se o seu querer não estiver em sintonia com o querer da existência, não resista, relaxe e aceite. Assim, você entende que o poder baseado em suas vaidades é bastante frágil e reconhece o imenso e sábio poder do Universo. É sempre esse que predomina. Tudo é uma questão de fé.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância; participe do Seminário sobre o Amor)

Na convivência íntima não dá para esconder quem você é

É bem comum que você se apresente de uma forma que no fundo não é. Por exemplo, para disfarçar a timidez, muitos empinam o nariz e se mostram autossuficientes ou até mesmo arrogantes. Pensando que serão melhor avaliadas, algumas pessoas contam vantagem, ostentando o que têm e o que não têm. Conheço quem se endivida para comprar um óculos escuros de marca que custa mais que seu próprio salário. Outros, precisam alardear seu conhecimento cultural ou até mesmo as viagens que faz. Tudo isso porque estão mais preocupados com a opinião dos outros e menos com o que realmente importa. Mas um dia a máscara cai. Na convivência íntima não dá para esconder quem você é. Suas fragilidades e defeitos ficam evidentes e tudo aquilo que você tentou esconder, aparece. Ao invés de se trabalhar de dentro para fora, amadurecendo, e isso requer muita dedicação e autoconhecimento, opta-se por uma vida superficial, de aparências. Com medo de ser desmascarado, evita-se as relações mais íntimas. Por isso (também), tanta gente vive só.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou por Skype)

Você ainda acredita em problemas?

A pessoa comum quer se equiparar aos demais, gosta de estar na média, e se desespera diante dos problemas. Para elas a vida não deveria apresentar surpresas, pois teriam que sair da sua zona de conforto. As pessoas comuns desejam segurança. Acreditam em manuais de procedimentos. Como não gostam dos problemas, estão sempre terceirizando as soluções. O sábio arrisca. Toma decisões. Aliás, ele nem vê o problema como problema, mas como uma prova, onde o que está em jogo é seu próprio crescimento. Como a vida ensina o tempo todo, sempre em movimento, ela não cabe dentro de uma caixinha, nem em um conto de fadas. Por isso é inevitável que o homem comum, vira e mexe, se encontre em apuros. Já o sábio, que compreendeu o movimento natural do viver, aproveita cada situação, cada circunstância, sem julgar, para ampliar-se como ser humano. Para o sábio não há crise, mas um aprendizado constante.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância)

Tempo para tudo

Existe um tempo para tudo: um tempo para procurar e outro para encontrar, tempo para semear e colher, para silenciar e falar, para guerra e paz, para amar e se distanciar.

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos

A importância de saber o que quer

Se você não sabe o que deseja, sua vida se torna insípida. Se você não sabe o que deseja, acaba assimilando o desejo dos outros. Se você não tem o hábito de se perguntar sinceramente o que quer, se só tem obedecido as ordens dos outros, é bem capaz que não consiga dizer o que é bom para você. Se eu te perguntar o que quer, pode ser que me dê respostas genéricas. Pode ser que você esteja identificado com um querer coletivo. Se todo mundo gosta de balada, eu também devo gostar. Se todo mundo bebe, eu também devo beber. Se todo mundo faz tatuagem, eu também quero. Se todo mundo quer casar, eu também preciso. Se todo mundo tem filhos, eu também devo ter. Se todo mundo compra uma casa própria, eu também devo comprar. Por isso, você precisa se conhecer, fazer um bom contato consigo mesmo. Só assim, você vai discernir entre o que os outros desejam que você seja e queira e o que você realmente é e quer. Isto requer um ponto de virada em sua vida, uma mudança de perspectiva, de ponto de vista. Você está preparado para isso?
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou por Skype – escreva para atendimento@sergiosavian.com.br)

Quantas almas já se perderam em seu olhar?

Muita gente reclama que não encontra a pessoa certa, que os homens não querem saber de nada, que as mulheres se tornaram muito exigentes. Isso tudo pode ser verdade, mas cada um deve fazer sua parte, questionando-se, conhecendo-se melhor. Você precisa treinar o seu olhar, prestando mais atenção nas qualidades que nos defeitos alheios. É assim que se ampliam as possibilidades. Este é um trabalho de autoconhecimento, de desenvolvimento pessoal, de meditação. Você para de julgar. Além disso, a intuição precisa funcionar, pois é ela que sabe como e quando encontrar alguém que vale a pena. Com a mente muita ocupada por seus julgamentos, com muitos certos e errados, você olha e não vê; não percebe que seus valores estão restritos a certos padrões aprendidos, e que não funcionam. Saiba que você sempre terá o amor que merece, mas isso vale tanto para o bem como para o mal. Ao ampliar sua consciência, você passa a se relacionar também com mais amplitude. E este olhar mais condescendente, mais sábio, o ajuda nas escolhas que faz. E ao contrário do que está vivendo, ao invés de ficar isolado, às vezes, sozinho e triste, sentindo-se muitas vezes fracassado, incapaz e abandonado, você terá suas antenas mais afiadas para detectar e atrair o amor que tanto deseja.

 

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(obtenha mais informações e inscreva-se no Seminário sobre o Amor que será realizado em  02/12/2017 escrevendo para atendimento@sergiosavian.com.br)