É possível ser ignorante de si mesmo e feliz ao mesmo tempo?

Não. A felicidade não é tão óbvia nem acontece porque você se declara feliz. O ser humano se torna integrado, tranquilo, produtivo, criativo e feliz somente quando realiza seu processo de individuação, e isto significa que, por meio do autoconhecimento você consegue que seu consciente e inconsciente aprendam a conviver em paz e completando-se um ao outro. Antes disso, na ignorância de si, você pode até viver em aparente felicidade, mas as forças do inconsciente atuarão sem cessar por meio de comportamentos que, com certeza, o levarão a doenças e conflitos. Por exemplo, você pode encontrar uma família enquadrada na chamada normalidade, mas um de seus membros irá manifestar a sombra, aquilo que não é admitido pelo grupo. O que fica escondido no inconsciente ganha cada vez mais força, aumentando o desejo para que seja manifesto, no caso, pela “ovelha negra” da família. Criamos defesas neuróticas na tentativa de nos mantermos em equilíbrio. Mas estes mecanismos não são totalmente eficientes. Você engorda, se droga, bebe muito, projeta seus problemas nos outros, vive pendurado no celular, acredita em histórias de carochinha, defende-se como pode, tudo para não encarar a própria realidade. E quando alguém pergunta se é feliz, você declara em alto e bom tom que sim. Mas não sabe o que está dizendo. Qualquer observador mais atento verá que é apenas um disfarce, uma fraude. O único caminho para a felicidade é consequência de uma sincera dedicação em se tornar consciente de si. O resto é conversa!
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos (agende uma consulta presencial ou à distância)

Tags: , , ,