DA PAIXÃO À COMPAIXÃO

Entrevista de Sergio Savian* para o Preparado pra Valer

1- Como o jovem casal pode trabalhar a ideia de ter um relacionamento sem dependência amorosa?
Em um relacionamento amoroso sempre haverá algum tipo de dependência, que dá liga à própria relação. Quanto mais independente você for, menos precisa do relacionamento, quanto mais dependente, mais precisa. É um paradoxo: um bom relacionamento se dá quando cada um dos cônjuges desenvolve um trabalho de autoconhecimento, desenvolvendo cada vez mais independência. Por outro lado, se este processo for radical, não precisará mais da relação…  

2- É preciso maturidade para os dois conseguirem isso?
Sim, é preciso muita maturidade, que vem do autoconhecimento. Quanto mais se conhece, aumenta a necessidade de se realizar na vida, e para isso, é preciso desenvolver algumas virtudes como a disciplina, o discernimento, o contato com a alma. Também faz parte desta maturidade adquirir a liberdade de ir e vir, liberdade esta que é estendida ao parceiro. Isso não é para qualquer um. 

3- O ciúme atrapalha quando o casal busca ser independente amorosamente?
O ciúme acontece quando você tem a ilusão de possuir o outro, sentindo-se ameaçado quando acredita que alguém pode roubá-lo de você. Isso faz parte do nosso ego, que não é o lado mais sábio. O ego é uma invenção de nós mesmos. Somente quando paramos de nos inventar, paramos de inventar as outras pessoas. Mas aí a paixão desaparece, e quando a paixão desaparece, surge a compaixão. Na compaixão você estabelece outro tipo de contato, com respeito total a si mesmo e ao outro.

*Sergio Savian é psicanalista especializado em relacionamento. Saiba mais sobre seu trabalho no site www.sergiosavian.com.br