Com muita pressa você violenta o amor

A ansiedade é a marca do modo de vida atual. Corremos o tempo todo, sentindo-nos pressionados para cumprir metas, ganhar dinheiro e fazer tudo que nos é cobrado. Para quem vive em uma grande cidade como São Paulo isso se multiplica. O trânsito, a batalha por um espaço, a competição e o sentimento de insegurança nos deixa elétricos, pilhados. Mesmo assim, é muita gente que não desistiu de amar, mas não o consegue porque é impossível se dedicar a alguém quando você está muito ansioso. As relações pedem outro ponto de vista, pedem outro timing, pedem calma. Para acertar o passo com alguém é preciso ter paciência, tolerância, é preciso entender a linguagem do coração. O amor não combina com a pressa, tampouco é uma meta que devemos atingir. Ele pede que você desacelere para sentir, para reconhecer e aproveitar o momento presente. E aqui vale a pergunta da Rita Lee: “Que tal nós dois numa banheira de espuma?”.  E se vierem os conflitos, e é certo que virão, é preciso ter muita sabedoria para resolvê-los, e não descartar o que ainda não amadureceu. Então, se você deseja ter relações de qualidade, prepare-se:  reconheça sua ansiedade, dê um tempo na correria, exercite a paciência, e preste mais atenção em si e em quem está ao seu lado. Com muita pressa você violenta o amor.

Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(participe do Seminário sobre o amor – obtenha mais informações em atendimento@sergiosavian.com.br)

Tags: , , ,