Amadurecer é bem mais que ser obediente

Grande parte das pessoas vive para cumprir protocolos e não têm ideia de quem realmente são. Foram criadas para obedecer e o fazem sem nenhum senso crítico. Se todo mundo faz assim, eu também devo fazer. Se meus pais disseram, eu acredito. Se o especialista falou, está falado. E quando estão em dúvida, perguntam para alguém qual caminho devem seguir. Elas não se responsabilizam por si mesmas, entregando a responsabilidade pelos erros e acertos aos outros. Para estas pessoas, maturidade significa ser igual a todos, estar na média da chamada normalidade. Elas não foram criadas para confiar em si mesmas, não foram criadas para desenvolver o próprio poder de discernimento. A elas falta intuição. Pensam sempre em manuais, no que está escrito. E não percebem que a vida é muito mais dinâmica que isso. A vida pede e dá muito mais do que está escrito. Elas não percebem que seus pais e seus orientadores também não resolveram a vida deles. E ao seguir a orientação de quem está perdido, ficarão perdidas também. Isto não significa que você não se informe, que não escute a opinião inteligente de quem é realmente maduro. Mas cada um deve ter seu próprio desenvolvimento. Amadurecer é outra coisa. Significa que você se dedica ao processo de autoconhecimento. E por isso, pergunta-se a todo momento o que serve ou não para si. Para amadurecer é preciso questionar. Para amadurecer é preciso experimentar. E, a partir da experiência de vida, com seus erros e acertos, compreender o quão único você é. O que você sente é seu e somente seu. Ninguém pode dizer que seu sentimento está certo ou errado. Só você mesmo é que pode saber se quer ou não algo, ou por onde deseja ir. Só você é que pode decidir sua vida. Aí, sim, desta forma, se tornará maduro. Maturidade real, e não ser um mero cumpridor de ordens.
Sergio Savian – psicanalista especializado em relacionamentos
(agende uma consulta presencial ou à distância)